JavaScript must be enabled in order for you to see "WP Copy Data Protect" effect. However, it seems JavaScript is either disabled or not supported by your browser. To see full result of "WP Copy Data Protector", enable JavaScript by changing your browser options, then try again.
ENDEREÇO:
Núcleo Rural Alexandre Gusmão - Gleba 03 Lote 369 Chácara 03 e 04
Ceilandia - Brasília/DF
INFORMAÇÕES DE CONTATO:
[email protected]
Tel: (61) 3375-5578 / 3375-6381
Cel: (61) 98442-3416

Você conhece os estragos causados pelo uso de drogas?

Os efeitos do uso de drogas são físicos e espirituais

Existem três aspectos a considerar quando falamos do consumo de drogas. Em primeiro lugar, temos as pessoas; depois, temos a droga e, finalmente, temos o ambiente. A interação entre os três fatores é que chamamos de problema das drogas.

Como cristãos, naturalmente, devemos dar prioridade sempre à pessoa. O ser humano é a parte mais importante do sistema e deve ser tratado com prioridade. A Igreja é especialista em humanidade.
Você conhece os estragos causados pelo uso de drogas

Deus nos criou seres únicos, especiais e irrepetíveis. Dentre os mais de seis bilhões de habitantes do planeta Terra, não existem, nunca existiram e nem existirão dois iguais.

Nós recebemos dons especiais que nos tornam diferentes dos demais animais. São dons que nos identificam como seres humanos. Entre estes dons temos: a autoconsciência (poder atuar como observador de seu próprio caminho); a imaginação (capacidade de criar na mente imagens que transcendem a realidade); a moral (consciência profunda do que é certo ou errado; a livre escolha (capacidade de agir conforme nossa autoconsciência, livre de qualquer influência).

Mas há muito mais! Se tudo isso não bastasse, nós acreditamos que Deus nos deu talentos e nos assiste com a Sua graça para que saibamos usar desses dons especiais que nos tornam humanos. A nós, só é preciso vontade e disciplina para que nossa vida esteja sempre no rumo certo.

E como esquecer que Deus, através de seu filho, nos revelou o caminho, a verdade e a vida (João 14, 6), e que veio para que todas as pessoas tivessem vida em abundância? (João 10,10)

Tenhamos consciência dessas maravilhas que Deus nos fez, porque é exatamente sobre elas que agem as drogas, inclusive o álcool e o cigarro.

O usuário de drogas torna-se um dependente, isto é, precisa de uma bengala, de um arrimo para se manter. Em outras palavras, torna-se um imbecil.

O usuário de drogas perde a autoconsciência, a imaginação, a moral, a liberdade de escolha e o humor, ou seja, perde a sua racionalidade. Torna-se um animal.
As drogas

Quando falamos de drogas, estamos falando de substâncias ou produtos de origem natural ou de laboratório que produzem alterações da percepção, do humor e das sensações, ainda que temporariamente. São sensações de prazer, de euforia ou alívio do medo, da dor, das frustrações, das angústias. Algum tempo após o uso, causam sintomas muito desagradáveis. Com a constância do uso, causam dependência. Fica cada vez mais difícil ficar sem usar. O usuário torna-se um escravo da droga.

As drogas incluem: álcool, tabaco, inalantes, vários medicamentos (calmantes, estimulantes, moderadores de apetite) e tóxicos (maconha, cocaína, crack, heroína, ecstasy, LSD).

No Brasil, as drogas mais usadas são: o álcool, o cigarro, os inalantes, a maconha, os medicamentos, a cocaína e seus derivados: crack e merla.

O álcool é ainda a droga responsável por cerca de 75% dos acidentes de trânsito, 90% das internações hospitalares por dependência química e, apesar disso, continua tendo seu consumo aceito socialmente, apesar de existir leis que proíbem seu consumo por menores de idade e por condutores de veículos.

A grande maioria dos casos de violência doméstica e das mortes violentas são consequências do uso do álcool.

O uso do cigarro começa a ser restringido pelo governo e, aos poucos, pela sociedade. Já existem ambientes em que não se pode fumar, a publicidade do cigarro é limitada e o consumo começa a ser reduzido em termos nacionais. Entretanto, diversos ambientes ainda relutam em assumir campanhas contra o fumo.

Os solventes ou inalantes são usados mais intensamente pelos menores em condição de risco social, vivendo nas ruas, longe das famílias e são considerados as portas para as drogas ilícitas.

A maconha, cannabis sativa, vem sofrendo intensa campanha tentando convencer de sua reduzida toxidade e inclusive da liberação de seu consumo, comércio e produção. Em consequência disso, muitos adolescentes, jovens ou pessoas menos esclarecidas vêm experimentando seu consumo com a convicção de que não existe nada de mal. Isso tem causado grandes problemas sociais e de saúde pública.

Os medicamentos tranquilizantes, sedativos ou moderadores de apetite, são largamente utilizados especialmente pelos idosos, pelas mulheres, pelos caminhoneiros, em geral sem receita médica.

A cocaína e seus derivados, crack e merla, são as drogas cuja utilização é proibida e cujos estragos, em termos sociais e de saúde, são mais visíveis e desastrosos. Alguns casos registrados apresentam dependência após apenas algumas semanas de uso.
O ambiente

No mundo das drogas existe o produtor, o agente financeiro, o intermediário e o usuário. Em geral, nos detemos no usuário, às vezes no intermediário. O sistema de drogas é interligado com o do crime organizado, do tráfico de armas e da prostituição.

O sistema das drogas causa muito mais vítimas do que parece à primeira vista: assaltos, homicídios, violência, acidentes, doenças, prostituição, desemprego, desestruturação familiar.

Também somos responsáveis pelo problema das drogas. Não podemos fechar os olhos para o problema. O primeiro passo é a tomada de consciência. Depois podemos tomar atitudes pessoais e coletivas.

Existem as leis, mas elas são ignoradas não só pela justiça, pela polícia e pelo Governo, mas, principalmente, pelas famílias e pela sociedade como um todo. Basta ver o que acontece com o álcool, apesar de proibida a entrega, a venda e o consumo para menores de idade, nem em nossas casas nós fazemos tal restrição.

É preciso iniciar uma conscientização, como aconteceu com o fumo, para que se restrinja o consumo de álcool e assim se recupere a esperança de futuro para toda uma geração de adolescentes, nossos filhos, nosso futuro.

Usamos cookies para lhe proporcionar a melhor experiência.