JavaScript must be enabled in order for you to see "WP Copy Data Protect" effect. However, it seems JavaScript is either disabled or not supported by your browser. To see full result of "WP Copy Data Protector", enable JavaScript by changing your browser options, then try again.

Risco de doenças aumenta em usuários de maconha.

02/08/2019

Pesquisas recentes registraram aumento significativo de doenças cardiovasculares em usuários de maconha, especialmente em formulações com altos teores de THC.

O THC, tetrahidrocanabinol, é um dos principais compostos da Cannabis sativa, também conhecida como marijuana ou maconha, e é sua principal substância psicoativa.

Apesar de a literatura científica sobre a relação entre o uso de cannabis e o sistema cardiovascular ser ainda bastante restrita, acredita-se que sua inalação, com seus inúmeros componentes tóxicos (em torno de 500), possa desencadear complicações cardíacas agudas e crônicas.

Entre as principais consequências estão espasmo das artérias coronárias, inflamação e aumento da coagulação dos vasos, o que resulta em trombose. Além disso, o uso da maconha eleva os níveis de pressão arterial e da frequência cardíaca, podendo causar hipertensão arterial e arritmia.

Um estudo recente publicado pela Dra. DeFilippis, da Universidade de Harvard, demonstrou que o uso da maconha estava associado a maior mortalidade geral e cardiovascular em análise de mais de 2000 pacientes com menos de 50 anos, que tiveram infarto do miocárdio. Apesar de os pacientes expostos a cannabis terem menor prevalência de hipertensão, diabetes e dislipidemia (níveis elevados de gorduras no sangue), comprovou-se que os índices de mortalidade do grupo eram aproximadamente o dobro, em relação àqueles não expostos à droga.

É importante ressaltar que os efeitos cardíacos da maconha podem ser exacerbados pelo estilo de vida inadequado dos indivíduos dependentes, caracterizado por altas taxas de sedentarismo e pela maior prevalência de ingestão de álcool e tabagismo. Já no sistema nervoso central, a maconha pode resultar em maior índices de ansiedade, depressão, pânico, psicoses e fobias. Esses fatores também podem ter relação direta com a doença cardiovascular. Assim, os efeitos da cannabis sativa no coração são, sim, preocupantes, e merecem mais atenção da sociedade e da comunidade científica.

No dia 11 de junho, A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou consulta pública para discutir o cultivo da planta de Cannabis sativa no Brasil, para fins medicinais e científicos, além da produção de medicamentos nacionais com base em derivados da substância. O uso medicinal dos derivados da planta vem sendo testado no controle de crises convulsivas, glaucoma, dor e no tratamento de doenças neurológicas graves, como a esclerose múltipla e o mal de Parkinson. A Cannabis sativa, com finalidade terapêutica (já legalizada em vários países) deve, contudo, ser melhor estudada cientificamente, por meio de pesquisas experimentais e ensaio clínicos.

Se por um lado o uso medicamentoso da maconha pode ser benéfico para alguns pacientes, a Organização Mundial da Saúde (OMS), reportou, em 2016, que a maconha é a droga ilícita mais consumida no mundo, e que sua utilização para fins recreativos é considerada um comportamento de risco, com potenciais efeitos nocivos para a saúde, incluindo complicações neuropsiquiátricas e cardíacas.

Apesar disso, a frequência do uso de cannabis é crescente em todo o mundo e, num momento em que se discute sua descriminalização, deve-se levar em consideração que seu uso, fora da medicina, tem potenciais efeitos prejudiciais à saúde.

Por: Roberto Kalil / UOL

Nenhum comentário
anterior próximo
Deixe um comentário

Informações Diversas
(61) 3375-5578 / 3375-6381
(61) 98442-3416
Núcleo Rural Alexandre Gusmão
Ceilândia - Brasília/DF
Horários de Atendimentos
Segunda à Sexta
09:00 - 17:00
Sábado
09:00 - 17:00
Domingo
Fechado
Últimas Notícias
Newsletter RAV