JavaScript must be enabled in order for you to see "WP Copy Data Protect" effect. However, it seems JavaScript is either disabled or not supported by your browser. To see full result of "WP Copy Data Protector", enable JavaScript by changing your browser options, then try again.
ir para o topo

Maconhistas imaturos

Maioria ignora os efeitos da maconha no cérebro, sobretudo no adolescente

Chamar de maconheiros os usuários é considerado depreciativo. Maconhistas, preferem eles. Com a produtora Uzumaki, fizemos uma série sobre a maconha com o título de “Drauzio Dichava”, que já teve 4,5 milhões de acessos no YouTube, em dois meses.

Fiquei surpreso com a repercussão e com falta de informação dos entrevistados sobre o mecanismo de ação e os efeitos colaterais da droga. A maioria acha que se trata de uma erva natural, que traz relaxamento, sensação de paz e percepção aguda da realidade, sem causar danos.

Alguns não sabem que o THC, o componente ativo, é absorvido nos alvéolos pulmonares e cai na circulação. A dependência química é desconhecida ou negada mesmo por gente que faz uso diário, há décadas. A perda de memória ao fumar é menosprezada até pela jovem que esquece uma ponta no cinzeiro da sala dos pais. E, pior, ninguém ouviu falar que o consumo na adolescência pode ter consequências nocivas e duradouras.

Diversos estudos, no entanto, mostraram que o impacto repetitivo da maconha no cérebro ainda adolescente é deletério. Interfere na memória, na atenção, na velocidade de processamento das informações e na concentração.

A explicação está na vulnerabilidade do tecido cerebral na infância e na adolescência. O córtex pré-frontal, responsável por funções como julgamento, tomada de decisões e controle da impulsividade, só completa a fase de amadurecimento ao redor dos 25 anos de idade, muito mais tarde do que as áreas encarregadas do processamento das emoções.

O THC distorce a troca de informações entre os neurônios. A exposição frequente pode modificar de forma persistente a arquitetura das redes neuronais que coordenam a cognição, nelas incluídos o aprendizado, a atenção e a resposta aos estímulos emocionais. Em alguns adolescentes predispostos, essas alterações levam à compulsão que está na base da dependência química.

Evidências sugerem que o uso diário ou semanal por adolescentes, durante anos consecutivos, pode causar alterações neuropsicológicas que persistem além do período de intoxicação aguda. Vários estudos revelaram, de forma consistente, que os usuários crônicos têm resultados piores nos testes neuropsicológicos. Em alguns deles, a deficiência foi detectada mesmo depois de anos de abstinência.

A magnitude do déficit cognitivo será mais alta quanto maiores forem as quantidades consumidas, a frequência e a duração do consumo e também a precocidade da iniciação. Fumar maconha aos 30 anos é bem menos problemático do que fazê-lo aos 15.

Para agravar, a maconha comercializada nas ruas tem concentração de THC quatro a cinco vezes mais alta do que a dos anos 1990. A diferença seria comparável à dos efeitos do álcool contido num copo de cerveja ou num copo de saquê.

Fonte: Folha

Author avatar
RAV - Renovando a Vida
https://renovandoavida.com.br
Usamos cookies para lhe proporcionar a melhor experiência.