JavaScript must be enabled in order for you to see "WP Copy Data Protect" effect. However, it seems JavaScript is either disabled or not supported by your browser. To see full result of "WP Copy Data Protector", enable JavaScript by changing your browser options, then try again.
ENDEREÇO:
Núcleo Rural Alexandre Gusmão - Gleba 03 Lote 369 Chácara 03 e 04
Ceilandia - Brasília/DF
INFORMAÇÕES DE CONTATO:
[email protected]
Tel: (61) 3375-5578 / 3375-6381
Cel: (61) 98442-3416

Lançada cartilha que mostra os riscos do uso da maconha na infância e na juventude

O Ministério da Cidadania, por meio da Secretaria Nacional de Cuidados e Prevenção às Drogas, lançou a cartilha “Os riscos do uso da maconha na família, na infância e na juventude”, que reúne dados sobre as consequências do acesso às drogas nos lares. A publicação foi realizada em parceria com a Secretaria Nacional da Família, do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.

Para celebrar o lançamento, as duas entidades realizaram uma live nas redes sociais. “É amplamente sabido que o consumo da maconha favorece o uso de outras substâncias psicoativas. Por isso, nos preocupamos em preparar um material informativo de qualidade, baseado unicamente em evidências científicas, para que as questões ideológicas ficassem de lado”, disse o secretário de Cuidados e Prevenção, Quirino Cordeiro, durante o evento online.

O representante do Ministério da Cidadania apresentou ainda importantes estudos sobre os perigos da maconha e os efeitos negativos que ele causou aos países onde foi legalizada. “Nos Estados Unidos, por exemplo, houve um aumento do uso e abuso da maconha, principalmente entre jovens com idade entre 12 e 17 anos, considerada a população mais vulnerável à droga”, pontuou. “O uso desse entorpecente gera problemas de segurança pública, trânsito, educação, saúde, e problemas econômicos”.

A secretária nacional da Família, Angela Gandra, afirmou que o fortalecimento dos vínculos familiares é a principal maneira de prevenção ao uso de drogas. “Muitas vezes, esse uso é decorrente de carências afetivas dentro da família. O amor e o diálogo são essenciais para essa prevenção”, afirmou.

O evento também contou com a participação do secretário nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente do MMFDH, Maurício Cunha, que chamou atenção para o fato de a maconha ser a substância ilícita mais utilizada pelo público infanto-juvenil. “O cérebro evolui até os 25 anos e sofre muitas mudanças na adolescência. Por isso, deveria ser extremamente protegido nessa fase. Pânico, medo e depressão podem ser consequências da intoxicação por cannabis”, relatou.

Já a titular Secretaria Nacional da Juventude do MMFDH, Emilly Coelho, defendeu que não existe uso medicinal dessa droga. “Os efeitos da maconha prejudicam a vida a longo prazo, com danos físicos e sociais, que demandam a sociedade. Tudo isso é contrário à liberdade”, declarou. O secretário Quirino, que também é doutor em Psiquiatria pela Universidade de São Paulo (USP), concordou com Emilly. “Além de o uso da maconha favorecer o consumo de outras substâncias, não existe nenhum estudo científico comprovando que a maconha in natura possa ter efeito terapêutico”.

Clique aqui para ter acesso à cartilha.

Fonte: Ministério da Cidadania

Usamos cookies para lhe proporcionar a melhor experiência.