JavaScript must be enabled in order for you to see "WP Copy Data Protect" effect. However, it seems JavaScript is either disabled or not supported by your browser. To see full result of "WP Copy Data Protector", enable JavaScript by changing your browser options, then try again.
ENDEREÇO:
Núcleo Rural Alexandre Gusmão - Gleba 03 Lote 369 Chácara 03 e 04
Ceilandia - Brasília/DF
INFORMAÇÕES DE CONTATO:
[email protected]
Tel: (61) 3375-5578 / 3375-6381
Cel: (61) 98442-3416

Estudo reforça a eficiência do tratamento dos Alcoólicos Anônimos

Bebidas alcoólicas: a melhor maneira de tratar o consumo excessivo segue sendo o método do AA e terapias relacionadas a ele.

O transtorno pelo uso de álcool (AUD, na sigla em inglês), ou alcoolismo, é um problema mundial e, em alguns países, está se acelerando. Alcoólicos Anônimos (ou AA) é um tratamento popular para o transtorno do uso de álcool há décadas, mas ainda ocorre muito debate sobre se ele e os tratamentos clínicos de 12 etapas relacionados, projetados para aumentar a participação do AA, são eficazes.

Os grupos AA são grupos de ajuda mútua liderados por pares. Os programas de facilitação em 12 etapas adotam alguns dos princípios e técnicas de AA e são ministrados por médicos. Eles visam envolver as pessoas dentro de AA durante e após o tratamento do transtorno por uso de álcool. Alguns desses programas seguem um manual, para que o mesmo tratamento possa ser realizado em momentos e locais diferentes.

As evidências atualizadas recentemente na Biblioteca da Cochrane Collaboration (organização sem fins lucrativos independente criada para organizar de forma sistemática os resultados de pesquisas em medicina, fundada no Reino Unido e presente em mais de cem países) comparam o AA e os Programas de Doze Passos (TSF, na sigla em inglês) clinicamente relacionados a outros tratamentos, como terapia cognitivo-comportamental, para ver se ajudam pessoas que sofrem de transtornos relacionados ao uso de álcool a atingir a sobriedade ou a reduzir a quantidade de álcool que elas consomem.

Fonte: Revista Planeta

Usamos cookies para lhe proporcionar a melhor experiência.