JavaScript must be enabled in order for you to see "WP Copy Data Protect" effect. However, it seems JavaScript is either disabled or not supported by your browser. To see full result of "WP Copy Data Protector", enable JavaScript by changing your browser options, then try again.
ENDEREÇO:
Núcleo Rural Alexandre Gusmão - Gleba 03 Lote 369 Chácara 03 e 04
Ceilandia - Brasília/DF
INFORMAÇÕES DE CONTATO:
[email protected]
Tel: (61) 3375-5578 / 3375-6381
Cel: (61) 98442-3416

“É mais fácil desintegrar um átomo que um preconceito” (Albert Einstein)

Em certo momento de sua vida, Albert Einstein mencionou que era mais fácil desintegrar um átomo do que um preconceito. E este preconceito de pessoas para com os dependentes químicos e/ou adictos existe e este estigma é como ferro quente marcando vidas e comportamentos.

A dependência química é considerada uma doença pela OMS, mas muitos a veem como uma falta de caráter, uma degradação moral, criando termos pejorativos, difamatórios e depreciativos como: “nóia”, “zumbi”, “maconheiro”, “crackeiro”, “bêbado”, “chaminé” e alguns pseudo termos técnicos como “mentirosos inteligentes” e “manipuladores” para contextualizar, muitas vezes, uma história de um indivíduo – no caso, o dependente ou adicto – sem, ao menos, atentar do que é ou foi a sua vida.

Existem no Brasil aproximadamente, 37 milhões de dependentes químicos em drogas lícitas e ilícitas, 50% da população brasileira faz uso do álcool e 12% são dependentes do álcool.

Cintra IT - Seu site profissional responsivo! Ligue (61) 98416-7091

Numa sociedade doente, imediatista, de valores efêmeros que rotula o usuário de drogas em um subproduto, potencializando o conflito existencial do Homem com ele mesmo e considerando que no Brasil duas em cada três famílias tem problemas com drogas, a complexidade da doença da dependência química NÃO PODE e NÃO DEVE ser vista como uma falta de caráter, demonizando o indivíduo perante à sociedade, pois isto nada mais é que um reflexo de sua própria estrutura, excludente, indiferente e desumana.(*)

No vídeo anexo, Alexandre Araújo, Presidente do Movimento Faces e Vozes da Recuperação no Brasil, nos leva a uma reflexão sobre os preconceitos e estigmas que sofre um dependente químico, sobretudo quando o mesmo sofre uma recaída. E nos lembra que as recaídas podem se tornar momentos de ajustes do tratamento e correção de erros.

É preciso que tenhamos mais empatia, mais compaixão e mais solidariedade com o ser humano, criando uma cultura de prevenção, tratamento e recuperação, levando esperança à milhares de famílias que sofrem com a dependência química.

Cintra IT - Tudo para sua empresa ou negócio viver bem na web.

Usamos cookies para lhe proporcionar a melhor experiência.-