JavaScript must be enabled in order for you to see "WP Copy Data Protect" effect. However, it seems JavaScript is either disabled or not supported by your browser. To see full result of "WP Copy Data Protector", enable JavaScript by changing your browser options, then try again.
ir para o topo

Drogômetros em teste pelo país vão reforçar fiscalização no trânsito

Aparelho identifica até 15 tipos diferentes de substâncias psicoativas; Instrumento está sendo usado em Curitiba e DF;

Drogômetro que usa amostra da saliva coleta secreção em apenas 15s.

Beber e dirigir é uma das principais causas de acidentes de trânsito em todo o mundo. E no Brasil não é diferente. Para fiscalizar os motoristas, as polícias contam com o reforço de equipamentos cada vez mais modernos. Os mais tradicionais são os etilômetros (bafômetros), mas, em breve, um novo aparelho, conhecido como “drogômetro” também poderá reforçar a fiscalização nas estradas.

Atualmente, há cerca de quatro equipamentos – sendo dois etilômetros e dois drogômetros –, conforme explica o diretor de marketing e relações institucionais da Orbitae, fornecedora de alguns aparelhos em Minas Gerais, Ubiratan Sá Junior. “Tem o aparelho evidencial, para colher provas do consumo de álcool, e o bafômetro passivo, que faz uma espécie de triagem nas operações de blitze. Já os drogômetros são de dois tipos: um que afere a droga por meio do suor colhido da digital do motorista, e outro que coleta a saliva do condutor em apenas 15 segundos”, afirma. Todos os aparelhos são importados de Canadá, Alemanha e Inglaterra e custam em média R$ 45 mil.

Desde o fim de 2018, os bafômetros passivos funcionam no Estado. A Polícia Rodoviária Federal de Minas Gerais (PRF-MG) informa que possui atualmente 230 etilômetros tradicionais e 82 etilômetros passivos distribuídos pelas delegacias do Estado. A assessoria de imprensa do órgão, porém, afirma que “ainda não há drogômetros em operação no Estado”.

Drogômetro

O aparelho que consegue identificar mais de 15 tipos de drogas já está sendo testado pelos Departamentos de Trânsito (Detrans) como projeto-piloto em alguns locais, como Curitiba e Distrito Federal, conforme portaria instituída em abril de 2019 pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública.

“O bafômetro detecta que o motorista fez uso de álcool por até dez horas. O mecanismo de funcionamento do drogômetro é parecido. Ou seja, a janela de detecção varia de oito horas a 72 horas, dependendo da droga. Outra vantagem é que o resultado do teste em todos os aparelho sai em cerca de minutos”, explica o diretor financeiro e administrativo da Orbitae, Marcelo Silveira.

Segundo o diretor, o drogômetro vem para dar mais segurança à sociedade, pois muitas vezes o uso de drogas não é detectado pelos bafômetros. “Algumas estatísticas relacionadas aos bafômetros mostram que nos últimos dez anos houve uma redução de 14% nas mortes no trânsito. O drogômetro vem para se somar a essa estatística na parte das drogas ilícitas, uma vez que ele detecta se o condutor estava sob efeito de maconha, cocaína ou de anfetaminas, popularmente conhecidas como ‘rebite’”, acredita Silveira.

Legislação

De acordo com o artigo 165 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), “dirigir sob a influência de álcool ou de qualquer outra substância psicoativa que determine dependência” configura uma infração gravíssima.

Gravíssima

O artigo 165-A do CTB estabelece que a recusa a ser submetido a teste que permita certificar a presença de álcool ou outra substância também é uma infração gravíssima.

Fonte: OTEMPO

Author avatar
RAV - Renovando a Vida
https://renovandoavida.com.br
Usamos cookies para lhe proporcionar a melhor experiência.