JavaScript must be enabled in order for you to see "WP Copy Data Protect" effect. However, it seems JavaScript is either disabled or not supported by your browser. To see full result of "WP Copy Data Protector", enable JavaScript by changing your browser options, then try again.
ENDEREÇO:
Núcleo Rural Alexandre Gusmão - Gleba 03 Lote 369 Chácara 03 e 04
Ceilandia - Brasília/DF
INFORMAÇÕES DE CONTATO:
[email protected]
Tel: (61) 3375-5578 / 3375-6381
Cel: (61) 98442-3416

Dependência química: como tratar na pandemia

A terapia imediata é o caminho para o tratamento da dependência química

Tempos de crise e emergência sanitária levam a um aumento do estresse e da ansiedade entre a população, que pode incitar um desejo de ceder às alternativas imediatas de fuga, especialmente àqueles que sofrem de dependência química. Mas os efeitos, além de ilusórios e efêmeros, podem ser devastadores. Com isso, uma dúvida entre famílias que possuem um ente querido que abusa do álcool ou outras drogas é sobre a possibilidade de se buscar, nesses dias, clínicas de reabilitação ou comunidades terapêuticas.

A dependência química, que é um transtorno mental crônico e progressivo, não escolhe e, certamente, não espera pelo “momento certo” para o dependente decidir aceitar ajuda. A melhor hora para parar é sempre a que a pessoa adoecida finalmente decide que é a hora, dizem os especialistas.

A pedagoga niteroiense aposentada N.F., 56 anos, prefere ter a identidade preservada, mas conta um pouco da experiência que viveu com o irmão, que é dependente alcoólico, em tempos de pandemia: “Na terceira semana de distanciamento social, descobrimos que meu irmão estava ingerindo álcool gel. Acredito que a liberdade dificultada para sanar sua necessidade do álcool deve ter causado maior ansiedade, levando-o a “criar” alternativas até mais nocivas para sua dependência.”

Sendo a Covid-19 uma doença proveniente de um vírus desconhecido e facilmente disseminado, que vem causando muitas mortes e problemas sérios em várias áreas, não há como menosprezá-la. Porém, para quem é dependente químico ou quem é familiar de alguém que é portador do transtorno, a dificuldade de lutar contra ela é imensa, pois não há cura e a chance de melhora é responsabilidade quase que exclusivamente do adoecido. “Sinto muito mais medo da dependência”, diz N.F.

O psicólogo David Osmo, especialista em dependência química e gestor do Grupo Progeres, que detém a Pater Aldeia, uma das clínicas de reabilitação mais antigas do Estado do Rio de Janeiro, localizada em Niterói há mais de 30 anos, informa que a instituição continua empenhada em ajudar as pessoas a superar a dependência e que foram adotadas medidas na triagem para proteger a equipe e os pacientes existentes e futuros, somadas às atividades educativas em relação ao vírus: “Tem ocorrido a aferição da temperatura, são realizadas algumas perguntas e desenvolvemos testagens em parceria com um laboratório

Possuímos espaços de isolamento pré-admissão, disponíveis também para sintomáticos e suspeitos. As atividades psicoeducativas ocorrem com grande intensidade e já era uma normativa o treino de habilidades para resgate do autocuidado, assim como o ensino de ferramentas de autopreservação. Neste momento, também estamos instruindo o uso e manejo das máscaras e a prática de uma boa higiene das mãos.”

O responsável por um renomado serviço especializado em remoções e encaminhamentos, Alex Evangelista, afirma que a preocupação provocada pelo coronavírus não supera a dor causada pelo uso nocivo de álcool ou outras drogas: “As famílias sabem que as clínicas e as comunidades estão recebendo pacientes, seguindo protocolos de saúde e segurança, preocupadas em proteger seus funcionários e os pacientes da disseminação da Covid-19.”

N.F. e seus pais, idosos de 82 e 83 anos, decidiram internar o irmão, que aceitou e reconheceu a necessidade: “Estamos muito mais tranquilos. A internação proporciona uma esperança a mais por sabermos que estará distante de locais de compra e afastado de gatilhos.”

O coordenador de cuidado e prevenção às drogas do município do Rio de Janeiro, Douglas Manassés, percebe um aumento dos acolhimentos nas comunidades terapêuticas da capital fluminense e conta que as entidades conveniadas estão recebendo recursos financeiros através do convênio da prefeitura e da Senapred (Secretaria Nacional de Cuidados e Prevenção às Drogas) para a execução das funções de acolhimento aos dependentes de substâncias: “As comunidades terapêuticas receberam também uma cartilha informativa quanto aos procedimentos a serem adotados no contexto da pandemia.”

Não importa o quão letal e contagioso o coronavírus é: a dependência química é um transtorno mental contagiante e fatal, que afeta as famílias e a sociedade, e a oportunidade de tratamento não deve nunca ser desperdiçada.

Fonte: Toda Palavra

Usamos cookies para lhe proporcionar a melhor experiência.