JavaScript must be enabled in order for you to see "WP Copy Data Protect" effect. However, it seems JavaScript is either disabled or not supported by your browser. To see full result of "WP Copy Data Protector", enable JavaScript by changing your browser options, then try again.
ENDEREÇO:
Núcleo Rural Alexandre Gusmão - Gleba 03 Lote 369 Chácara 03 e 04
Ceilandia - Brasília/DF
INFORMAÇÕES DE CONTATO:
[email protected]
Tel: (61) 3375-5578 / 3375-6381
Cel: (61) 98442-3416

Coronavírus paralisa encontros de 21 mil (+) membros de NA e AA

Reuniões presenciais são parte essencial do processo de recuperação dos usuários de drogas e de álcool.

BRASÍLIA – O letreiro pendurado pela instituição Narcóticos Anônimos, na fachada de um pequeno casebre espremido entre outros da Asa Sul, centro de Brasília, traz um alento a pessoas que sofrem com a dependência química. “Problemas com drogas? Se você quiser parar, podemos ajudar”. A porta pichada, porém, já está fechada há dias. E não há data para reabrir.

Por causa do avanço do novo coronavírus, Narcóticos Anônimos fechou as portas Foto: Dida Sampaio/Estadão

A miríade de danos causados pelo novo coronavírus também chegou a um dos mais essenciais programas de apoio a pessoas que lutam para se livrar das drogas. Os Narcóticos Anônimos, instituição sem fins lucrativos que há décadas ajuda pessoas a se livrarem do vício, atende mais de 21 mil pessoas por semana. São 4,5 mil reuniões presenciais. Cada um dos 1.660 grupos de pessoas formados em todo o País reúne em torno de 12, 13 pessoas. Tudo é mantido com doações dos próprios frequentadores, sem nenhuma obrigatoriedade. A maior parte desses encontros foi suspensa e a tendência é que tudo pare.

O dano é inestimável. As reuniões presenciais são parte essencial do processo de recuperação dos usuários de drogas, porque são esses encontros que permitem a troca de experiências entre as pessoas, suas histórias de vida e seus exemplos de superação.

Com os fechamentos, milhares de pessoas são afetadas. As reuniões presenciais são parte essencial do processo de recuperação Foto: Dida Sampaio/Estadão

A paralisia também atinge dependentes do álcool. Hás duas semanas, as portas começaram a se fechar em boa parte das salas dos Alcoólicos Anônimos, que prestam serviços essenciais de apoio a dependentes que querem se livrar do vício. A instituição sem fins lucrativos tem mais de 5 mil grupos formados pelo Brasil. Ocorre que boa parte de suas salas está localizada em igrejas ou escolas, lugares que estão fechado em quase todo o País.

Em Brasília, relata o membro dos Alcoólicos Anônimos, P.A, identificado apenas por suas iniciais, são pelo menos sete locais que funcionam dentro de escolas e igrejas. Todos foram fechados há duas semanas, como é o caso do grupo Santo Antônio, que sempre se reúne às segundas e quintas-feiras, na Escola de Classe 314 Sul.

Alcoólicos Anônimos, que prestam serviços essenciais de apoio a dependentes que querem se livrar do vício, também estão fechando Foto: Dida Sampaio/Estadão

“A escola fechou, não temos como funcionar. Em alguns Estados, como o de Pernambuco, a situação é mais complicada, porque a maioria das reuniões é feita dentro de áreas de muitas escolas e igrejas. Tudo parou. Só aqueles que estão em locais alugados é que estão funcionando. Mesmo assim, foram reduzidas as cadeiras que são usadas nas salas, para manter maior distância entre as pessoas”, diz ele.

Nos Narcóticos Anônimos, a preocupação maior está concentrada nos recém-chegados. Em situações normais, as pessoas são incentivadas a participar do maior número possível de reuniões presenciais nos primeiros três meses de tratamento, que é a fase mais crítica de abstinência.

Online

Todos buscam uma alternativa para não parar. Ainda que a distância, os Narcóticos Anônimos têm procurado uma forma de manter seus encontros. “Começamos a fazer reuniões online para reunir as pessoas”, diz L.B., que apoia as ações de relações públicas da instituição.

Como muitos moderadores nunca tinham usado o meio digital, eles estão sendo treinados para realizar as reuniões pela internet. Voluntários que conhecem o desenvolvimento de aplicativos estão apoiando a criação de salas de bate-papo, para que as pessoas possam acessar o site dos Narcóticos Anônimos e entrarem nas reuniões.

“Fazemos parte da sociedade e temos a responsabilidade de contribuir com a paralisação das reuniões presenciais, porque sabemos o que está se passando. Por isso, buscamos uma alternativa para oferecer algo que é fundamental para muita gente”, diz L.B.

Na internet, os Narcóticos Anônimos passaram a divulgar um cronograma com horários de suas reuniões virtuais. Os usuários têm acessado. São encontros sobre sobrevivência e pedidos de ajuda, neste momento ainda mais difícil. É um trabalho que não pode parar.

Fonte: Estadão

Usamos cookies para lhe proporcionar a melhor experiência.