JavaScript must be enabled in order for you to see "WP Copy Data Protect" effect. However, it seems JavaScript is either disabled or not supported by your browser. To see full result of "WP Copy Data Protector", enable JavaScript by changing your browser options, then try again.
ir para o topo

Carlos Alberto de Barros Franco explica os riscos do cigarro eletrônico

Na coluna Letra de médico, o pneumologista e membro da Academia Nacional de Medicina fala por que a versão pode ser pior do que o convencional.

Na era da informação, é de pleno conhecimento de todos os malefícios do cigarro. Eles vão desde a perda de vitalidade da pele e diminuição da potência sexual até o infarto cerebral, do coração e câncer de vários órgãos. Tais constatações fizeram com que o número de fumantes no Brasil diminuísse de 20% para 7% nos últimos anos. Diante desse cenário, a indústria logo criou uma estratégia para lançar uma versão mais “moderninha”, que, à primeira vista, pode lembrar um brinquedo inofensivo.

O cigarro eletrônico vem sendo divulgado pelas companhias produtoras como a salvação da lavoura para aqueles que desejam parar de fumar. Trata-­se de uma enganação, uma propaganda mentirosa e interesseira. Na verdade, o objetivo real é aumentar o número de jovens dependentes da nicotina, já que, como se sabe, é a droga que causa maior dependência química e, portanto, a mais difícil de ser abandonada depois. Ao acharem que a versão eletrônica não oferece riscos — e ainda é uma inovação —, os jovens começam a experimentá-la e aí se desencadeia um novo vício.

Uma vez viciados, esses jovens precisarão “alimentar” sua dependência e passarão a fumar. No fim das contas, esse é o principal interesse da indústria: manter a vida útil do cigarro como fonte de renda. Vale lembrar que o nível de nicotina inalado em alguns dispositivos eletrônicos ultrapassa em muito o contido em um maço de cigarro comum e que as substâncias são mais voláteis, aumentando sua absorção. Ou seja, nesse caso, o potencial de dependência torna-se superior ao do cigarro convencional.

Recentemente surgiram nos Estados Unidos vários casos de doença pulmonar grave (evali) que levam à internação dos jovens e, em muitos casos, à morte. O que havia em comum entre eles? O uso do cigarro eletrônico. Ficou comprovado que tal doença era causada por inalação de substâncias existentes no e-cigarrette, como o acetato de vitamina E, um óleo utilizado na diluição de THC (tetra-­hidrocanabinol, não por acaso o princípio ativo contido na maconha).

Grosso modo, seu quadro se assemelha ao de uma pneumonia viral, e todos os serviços de emergência devem perguntar a pacientes com quadros parecidos se são usuários de cigarro eletrônico. Já são 2 807 casos da doença nos EUA, e agora ela espraiou-se mundo afora. No Brasil, foram identificados pelo menos três casos. O Ministério da Saúde proibiu a comercialização desse tipo de cigarro no Brasil, mas ainda há muito que fazer para conscientizar a população jovem. Afinal, de inofensivo o “brinquedinho eletrônico” não tem nada.

Carlos Alberto de Barros Franco é pneumologista e membro da Academia Nacional de Medicina

Fonte: Veja

Author avatar
RAV - Renovando a Vida
https://renovandoavida.com.br
Usamos cookies para lhe proporcionar a melhor experiência.