JavaScript must be enabled in order for you to see "WP Copy Data Protect" effect. However, it seems JavaScript is either disabled or not supported by your browser. To see full result of "WP Copy Data Protector", enable JavaScript by changing your browser options, then try again.
ENDEREÇO:
Núcleo Rural Alexandre Gusmão - Gleba 03 Lote 369 Chácara 03 e 04
Ceilandia - Brasília/DF
INFORMAÇÕES DE CONTATO:
[email protected]
Tel: (61) 3375-5578 / 3375-6381
Cel: (61) 98442-3416

Alcoolismo: veja como ajudar um parceiro alcoólatra?

O alcoolismo é considerado uma doença, pois apresenta uma forte dependência física

O alcoolismo é caracterizado por uma forte dependência física e psicológica do consumo de álcool. Muitas pessoas são afetadas por este grave distúrbio. Além de envolver problemas graves de saúde, o alcoolismo tem repercussões físicas, e também psicológicas, e não apenas no viciado, mas também em seu entorno. Pessoas alcoólatras acabam tendo problemas no local de trabalho, família, relacionamento e etc.

O alcoolismo é considerado uma doença, pois apresenta uma forte dependência física. Uma vez que o alcoólatra tenha reconhecido o seu problema e decidido iniciar uma terapia, ele precisa da ajuda das pessoas ao seu redor, com todo o seu apoio, empatia, compreensão e paciência.

Veja algumas dicas de como ajudar pessoas com problemas relacionados ao uso do álcool

Somente a pessoa viciada pode tomar a decisão de iniciar a terapia e se desintoxicar. Nesse sentido, as pessoas ao seu redor só podem tentar conscientizá-la, mas nunca obrigá-la. Você pode ajudá-lo a perceber que o álcool é um problema e essa abordagem deve sempre ser de ajuda e apoio, e nunca de uma posição de ataque ou com o objetivo de culpar o viciado.

Por exemplo, você deve evitar dizer “quando você bebe fica insuportável e faz papel de bobo“. Pelo contrário, devemos nos aproximar com empatia e delicadeza, sem ataques diretos. Assim, é melhor falar em termos de “eu sei que é difícil …”, “eu entendo você, mas …”.

O alcoólatra deve contar com a ajuda de um profissional

O primeiro passo é a conscientização do problema, algo que podemos fazer através da empatia para entender o viciado, além disso, você deve ter em mente que essa abordagem para falar sobre a dependência sempre deve ser feita em um momento de sobriedade. É inútil fazê-lo quando a pessoa está sob a influência do álcool.

No entanto, você deve estar ciente de que muitos viciados negam fortemente o seu vício. Nesse sentido, ajudá-los a perceber pode fazer com que se virem contra você, considerando que estão sendo acusados ou atacados.

Portanto, lembre-se sempre de que você não pode forçar alguém a se curar se não quiser. Seu papel é ajudar a aumentar a conscientização sobre um problema, nada mais do que isso. Se a outra pessoa insistir em não querer se curar ou não entender que há um problema, você não deve se culpar por isso.

Nunca ajude o alcoólatra a beber

Evite comprar bebidas para o parceiro. Você deve deixar claro que não concorda com o vício e que o considera um problema. Portanto, se ele quiser beber, ele próprio terá que comprar o álcool. Você não deve colaborar para a manutenção do seu vício.

Da mesma forma, seu parceiro pode estar procurando desculpas para sair e tomar uma bebida. Se você sentir que a intenção dele é beber, deve ser claro, assertivo e recusar. Insistimos: você não deve colaborar para manter o seu vício.

Juntamente com a terapia e a ajuda profissional, o alcoólatra poderá voltar a desfrutar de uma vida plena.

A taxa de alcoólatras crônicos que conseguiram deixar o vício sem ajuda profissional é muito baixa. Portanto, se seu parceiro tiver consciência de que tem um problema e quiser obter ajuda, apoie-o.

Existem terapeutas especialistas em vícios que podem guiá-lo nessa jornada árdua e difícil. Existem também associações, como os Alcoólicos Anônimos, que dão apoio àqueles com esse tipo de dependência.

Por sua parte, você pode se envolver procurando um especialista, acompanhando-o, informando-se e conversando com o terapeuta sobre como você deve agir para que a desintoxicação seja bem-sucedida.

Além disso, você pode procurar atividades para realizarem juntos nas quais o álcool seja incompatível. Por exemplo, fazendo um curso juntos, indo a uma academia ou exercitando-se em uma caminhada. Lembre-se de que o viciado deve se reeducar, ou seja, deve aprender a se divertir sem o álcool.

Evite situações de estresse ou que despertem a necessidade de beber

Isso sempre é aconselhável, mas muito mais quando o viciado está em terapia, com o objetivo de evitar recaídas. Devemos ser capazes de reconhecer as situações que estressam o viciado e, portanto, tentar evitá-las. O estresse o levará a querer beber, dificultando a sua recuperação.

Devemos estar vigilantes e tentar prevenir as situações que desencadeiem sua necessidade de beber. Não é fácil, mas seu parceiro precisa de todo o seu apoio e paciência. Não o culpe, ele está doente. Não o ataque, ele tem problemas. O que você deve fazer é entendê-lo e apoiá-lo, estar perto e colaborar em sua recuperação.

Além disso, lembre-se sempre de que você não pode ajudar alguém que não quer se ajudar. Não se sinta culpado se você não tiver sucesso; você fez o que pôde.

Fonte: Portal R7

Usamos cookies para lhe proporcionar a melhor experiência.